Sou um felino doméstico. Vagabundo ou não, ando por aí.
Adoro muros e telhados alheios.
Namoro de madrugada – a lua e a gata.
Faço poesia e muita prosa.
Sou cinzento na cor e colorido na alma.

17/01/2016

Inventor


Resultado de imagem para vento



Desfez-se de todo o texto
Embaralhou as frases
embaralhou as palavras
embaralhou as letras
embaralhou os sinais

Construiu novas frases
inventou certas palavras
repetiu algumas letras
apagou muitas outras

Arrumou um pretexto
 e desconstruiu vários sinais

O vento que por aqui passou
Levou consigo
 palavras inventadas

Levou em suas asas
 palavras ritmadas

Levou consigo
 um poema
 um poema de amor

6 comentários:

Ivone disse...

Linda inspiração, gostei da construção do poema!
Abraços amigo Gato Cinzento!

Poções de Arte disse...

Belíssimos versos, Gato Cinzento.
É bom quando o vento leva "novidades" e inspira de outras formas...
Achei uma graça o blog.
Abraços e lindo dia.
Márcia.

Marli Terezinha Andrucho Boldori disse...

Boa tarde, Gato Cinzento, seu poema está belíssimo, uma construção linda. Podemos fazer várias leituras com ele. Podemos pensar na desconstrução da gramática, dos poemas, dos versos enfim até a Lei Ortográfica pode muito bem ter sido seu tema.
Grande abraço!

sandra mayworm disse...

Arrumar um pretexto pra desconstruir vários sinais...muito bem construído!
Abraço.

MARILENE disse...

Que linda sua criação! O vento nada levou da essência, abraçada aos seus versos. Abraço.

Rui Pires - Olhar d'Ouro disse...

Muito interessante!