Sou um felino doméstico. Vagabundo ou não, ando por aí.
Adoro muros e telhados alheios.
Namoro de madrugada – a lua e a gata.
Faço poesia e muita prosa.
Sou cinzento na cor e colorido na alma.

17/03/2016

Suspenso





Gente!
Não há clima.
Muita turbulência no ar.
A alma não aguenta
- preciso navegar.

[e o gato curioso caminha
delicadamente
em meio ao caos]

Gritam aqueles que nunca sentiram dor
a dor da carne cortada
a dor da alma esmagada
a dor pela dor

Gente!
Não há clima
Muita confusão no ar
A alma não aguenta
- preciso voar

Fragmenta-se em nuvens
transforma-se em chuva
Carregada pelo vento
segue pelo norte
suspenso
na sorte
há de se encontrar

[e o gato curioso caminha
inocentemente
em meio ao caos]








7 comentários:

Gracita disse...

Não há inspiração que vença essa caos.
Um abraço

✿ chica disse...

Por aqui no Brasil a coisa anda assim.Muita turbulência! abraços, tudo de bom,chica

Ivone disse...

Ah, Gato, aguenta sim, rsrs!
Abraços apertados!

sandra mayworm disse...

Compreendo você gato, mas lembra que ser poeta é possuir o dom de "tirar leite das pedras" A poesia é o nosso lugar secreto e segura. Animo, gato!
Um abraço!

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, Lixo em céu aberto! pensava que tal já não existia, a vida sem turbulência seria perfeita, certamente que a vida perfeita seria uma chatice de ser vivida.
AG

MARILENE disse...

Sofre o corpo e sofre a alma. Sua imagem é bem representativa. Quanto lixo estamos a ver, e não estão no chão . Abraço.

CÉU disse...

que imagem chocante!
pois, para grandes males, grandes remédios, gato.

FELIZ E SOSSEGADA PÁSCOA.