Sou um felino doméstico. Vagabundo ou não, ando por aí.
Adoro muros e telhados alheios.
Namoro de madrugada – a lua e a gata.
Faço poesia e muita prosa.
Sou cinzento na cor e colorido na alma.

13/02/2016

Olhar




Antes da chegada do azul da manhã, ela se despediu das estrelas cantando baixinho uma canção de amor.  Fechou os olhos não querendo acreditar que a noite fugiria para outro lugar. E naquele instante de ausência, tudo se tornou grande.  E os seus olhos de gata que antes estavam cerrados, tornaram-se nublados e enxergaram a saudade esvaindo-se num céu turvo, indefinido, entre o negro e o azul.

8 comentários:

✿ chica disse...

Perceber a saudade desse modo...Lindo! abraços, tudo de bom,chica

Dilmar Gomes disse...

Belo momento poético, meu caro amigo. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas um ótimo domingo.

Jorge disse...

De resto hoje o dia é inspirador...

A Casa Madeira disse...

Como gosto muito de gatos... bela imagem; as palavras poéticas tbm.
Prazer em conhecer o blog.
janicce.

Cristina Sousa disse...

Magnífico!
Um beijo e feliz semana.

MARILENE disse...

A imagem foi muito bem escolhida, totalmente apropriada para seu texto poético.
Ausência e saudade na noite que se despede. Há instantes que superam, em sentimentos, os giros dos ponteiros do relógio. Abraço.

Ailime disse...

Magnífico texto poético!
Um estilo que me seduz e que por metáforas tanto fala de sentimentos.
Bjs e boa semana.
Ailime

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, lindo momento poético repleto de bom sentimento.
AG